Predadores e mutação genética: Um caminho esperado?

Muito tem se falado sobre a polêmica da mutação genética dos Predadores vista na sinopse e trailer do novo filme. Seria esse um passo que vai estragar a franquia ou algo já esperado? Neste post fiz uma tradução/adaptação de um excelente artigo de Brandon Staley postado no site CBR. Apesar de não concordar totalmente com o seu ponto de vista, achei muito pertinentes as observações feitas por ele sobre como a hibridização já era algo esperado em uma sequência de Predador.

— Início da tradução —

“O primeiro teaser trailer de Predador de Shane Black trouxe para os maiores caçadores do espaço uma nova ameaça – e ela é muito mais perigosa do que um novo canhão de ombro. No trailer temos a introdução da ideia de que os Predadores estão mexendo no seu próprio código genético para se tornar caçadores mais eficientes. Para os fãs que acompanham as histórias de Alien e Predador, isso se parece muito com o que tem acontecido na franquia Alien há algumas décadas.

Com o perdão do trocadilho, as franquias Alien e Predador compartilham um DNA semelhante. A grande marca dos antagonistas alienígenas na franquia Predador é a sua habilidade de se adaptar a uma variedade de situações, geralmente usando a tecnologia. Em Predador, o primeiro filme, a caça ocorreu em uma selva na América Central, com direito a tecnologia de camuflagem e visão infravermelha.

Já em Predador 2 vimos as mesmas tecnologias aplicadas em uma área urbana em crise, com a adição de várias ferramentas para uma guerra psicológica mais sutil. O fato das criaturas poderem melhorar a si mesmas a um nível genético, assim como os xenomorfos vêm fazendo há décadas através do seu ciclo de vida “natural”, não é uma grande surpresa e se mantém de acordo com os temas dos primeiros filmes do Predador.

Os filmes do Predador, apesar de tudo, têm abordado os medos tradicionais do conflito com O Outro, o agressor invisível e incognoscível cujos métodos são tão estranhos que confundem até mesmo os veteranos militares mais corajosos. A franquia sempre foi sobre os medos de cada tempo.

O primeiro Predador foi uma resposta praticamente direta aos horrores dos soldados americanos envolvidos em guerrilha entre os anos 60 e 80. Predador 2, por sua vez, trouxe essas sensibilidades para a cidade, explorando os temores alimentados pelo crescimento acelerado de áreas urbanas como Los Angeles e Nova Iorque nos anos 90, a maioria sendo resultado de injustiças raciais bem documentadas e violência policial.

Agora a franquia segue para o mais novo bicho-papão da sociedade, a ansiedade causada por ferramentas de edição genética como o CRISPR.

Essa não é a primeira vez que os Predadores tentaram ou foram vítimas de tentativas de hibridização. Na HQ Aliens vs. Predator: Duel #2, lançada em 1995, foi introduzida a ideia do Predalien, um híbrido entre as duas criaturas. Logo depois a abominação foi para as telonas no finalzinho de Alien vs Predador, quando um chestburster sai de um Predador. O desenvolvimento da ideia seguiu na sequência Aliens vs. Predator: Requiem.

Como os crossovers são focados puramente na ação, muito pouco do processo de hibridização foi explorado.

Ainda assim, é interessante ver o Predador dando este passo novamente, depois do diretor Ridley Scott já ter explorado este terror contemporâneo em Prometheus e, mais recentemente, em Alien: Covenant. Os filmes recontam a história dos Xenomorfos, que agora foram criados pelo androide corrupto David, que tentou criar um organismo perfeito usando um mutagênico alienígena que transforma a matéria orgânica em um grande pesadelo.

As criaturas em Predador parecem estar se aproximando da evolução de forma diferente, tentando talvez misturar o seu DNA com o dos humanos após muitas derrotas humilhantes para uma espécie inferior que deveria ser caçada por esporte – se não pode vencê-los, por que não se tornar um deles?”

— Fim da tradução —

Veja também  Capcom Home Arcade terá ‘Alien vs Predador’ e outros clássicos dos fliperamas

Do meu ponto de vista, essas mutações dificilmente estariam sendo feitas pelos próprios Predadores, já que, apesar de ser uma raça bastante tecnológica, eles têm toda uma questão de honra. Além disso, a presença da OWLF me faz acreditar que agora o grupo não está em busca de novas tecnologias de Predadores, mas sim na criação de Predadores mais fortes.

Uma das coisas que achei mais interessantes no texto de Stanley foi ter apontado como a franquia tem abordado os “medos contemporâneos” e como o filme de Shane Black está fazendo a mesma coisa.

Não posso afirmar que este será um excelente filme de Predador, porém acho que ainda podemos ter uma boa trama e um novo passo na evolução da franquia. Continuaremos acompanhando as novidades, mas só saberemos mesmo em setembro quando o filme for lançado oficialmente.

O Predador de Shane Black tem o lançamento previsto para o dia 14 de setembro. O filme tem em seu elenco Boyd Holbrook, Trevante Rhodes, Jacob Tremblay, Keegan-Michael Key, Olivia Munn, Sterling K. Brown, Alfie Allen, Thomas Jane, Augusto Aguilera, Jake Busey e Yvonne Strahovski.